× ENTRAR CADASTRE-SE

Nuvem de gafanhotos? É sério, mesmo?

Por CBC Agronegócios

29 de Junho de 2020

 

Não é filme de ficção e nem retroagimos aos tempos bíblicos, mas a praga da nuvem de gafanhotos é uma realidade nos tempos de hoje e está tirando o sono de muitos produtores brasileiros, principalmente depois que a Argentina, nosso vizinho, deu o alarme de sua vinda em maio último.

O perigo mora ao lado

Proveniente do Paraguai, a nuvem de gafanhotos da espécie Schistocerca cancellata partiu em direção à Argentina, retornou ao Paraguai onde ficou por uma semana e depois voltou ao solo argentino.

Essa espécie de gafanhotos não causa nenhum dano direto ao ser humano, mas é capaz de gerar estragos consideráveis a qualquer lavoura.

Foi o que aconteceu com a plantação de milho, cana-de-açúcar e mandioca no Paraguai e na Argentina (nas regiões de Formosa, Chaco e Santa Fé) que, por sua vez, alertou o Brasil no dia 11 de maio sobre o avanço da nuvem em nossa direção e do Uruguai.

Do lado de cá

De acordo com especialistas o poder de destruição desses gafanhotos é realmente digno das pragas do Egito. Em cerca de um quilômetro quadrado podem ser encontrados 40 milhões deles devorando a plantação, o que equivale a 2.000 vacas consumindo o pasto ou 350 pessoas comendo em apenas 24h.

Diante da seriedade desse quadro, agricultores de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul que já sofrem com a estiagem e os efeitos danosos da Covid-19, agora também se sentem ameaçados pela praga vinda dos países vizinhos.

Aqui no Brasil, a Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, emitiu em 24 de junho a Portaria 201 no Diário Oficial da União declarando estado de emergência fitossanitária nas áreas produtoras da região Sul do país, com prazo de vigência de até um ano.

O que pode ser feito contra a nuvem de gafanhotos?

Com deslocamento rápido de até 150 km em um único dia, técnicos têm monitorado em tempo real o que acontece com a nuvem de gafanhotos, a fim de tomar as providências necessárias.

É de suma importância que os produtores comuniquem aos órgãos competentes o aparecimento de uma quantidade anormal de insetos para combatê-los, evitando, assim, as desfolhas nas plantas, o que pode significar uma perda de 100% da lavoura, segundo a Embrapa.

Dentre as medidas a serem adotadas, destacamos:

  • Uso de pesticidas no período da tarde, quando a nuvem se acomoda;
  • Fumigação;
  • Uso de avião em caso de infestação.

Conviver com pragas faz parte do dia a dia de quem vive nas zonas rurais. Entretanto, o que assusta dessa vez é o tamanho da nuvem de gafanhotos que pode chegar a 10 quilômetros.

Não se sabe exatamente como ela se formou, mas supõe-se que seja uma junção de fatores climáticos (clima quente e seco favorece sua reprodução), dinâmica dos ventos, tudo isso aliado à grande oferta de alimentos existente para os insetos.

Outro fator que pode estar relacionado aos já mencionados é o próprio manejo da terra, como apontam pesquisadores americanos da Escola de Sustentabilidade e da Faculdade de Ciências da Vida da Universidade do Arizona.

A torcida, agora, é para que a chuva e a queda da temperatura que pode chegar a 5o C inibam e até mesmo dissipem a migração desses insetos e, ainda que cheguem à lavoura, não tenham o potencial destrutivo que teriam em condições normais, minimizando, desse modo, os prejuízos.

Através da CBC Agronegócios você pode se conectar com milhares de empresas para comprar ou vender seus insumos agrícolas. Basta se cadastrar, colocar sua oferta ou negociar com outras partes. Clique aqui para se cadastrar

Já é cadastrado, crie seu hábito produtivo. Insira indicações e acompanhe mercado.